Síndrome de Burnout é caracterizada como Doença do Trabalho pela OMS

Síndrome de Burnout

No início deste ano, 2022, a Síndrome de Burnout foi considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como doença ocupacional. Ou seja, complicação da saúde ocasionada pelo ambiente de trabalho. 

Neste conteúdo falamos um pouco mais sobre a Síndrome e como ela afeta o colaborador. Bem como seus principais sintomas e causas. Assim como o papel da empresa para evitar esse tipo de condição na empresa. 

Tem dúvidas sobre a Síndrome de Burnout? Então acompanhe. 

Síndrome de Burnout: o que é?

 

Primeiramente vale entender o que é a Síndrome de Burnout.  Ela é caracterizada como distúrbio psicológico resultante do estresse crônico no local de trabalho. Isso porque o fator principal provavelmente não foi gerenciado de forma correta pela empresa. 

Dentre os principais sintomas de Burnout estão:

  • Sentimentos de esgotamento mental e de energia;
  • Pouca produtividade;
  • Sentimentos negativos quanto a atividade exercida na empresa;
  • Vontade de ficar em casa ao invés de trabalhar;
  • Sintomas físicos quando relacionados ao trabalho como dor de cabeça, dor de estômago, falta de ar, insônia entre outros. 

 

Quais as principais causas da Síndrome de Burnout?

 

De acordo com a OMS, as principais causas da doença mental é o estresse crônico no trabalho, onde o mesmo não foi trabalhado pela empresa. 

Neste caso, muitas questões envolvidas, uma vez que ao temer a perca do emprego, o colaborador não saiba dizer não. Dessa forma passa sofrer com sobrecarga de tarefas, assim como abuso em sua disponibilidade. Consequentemente acaba por somar sentimentos e resultá-lo no estresse ocupacional. 

 

Com a inclusão da Síndrome como doença do trabalho, o que muda?

 

Antes de ser incluída como doença ocupacional, a Síndrome de Burnout era apenas uma responsabilidade do trabalhador. Ou seja, o mesmo deveria buscar ajuda de forma individual. 

Contudo, ao ser considerada agora uma doença de dentro do ambiente de trabalho, a Síndrome passa a dar responsabilidades ao empregador também. Uma vez que um ambiente de trabalho doentio, também acaba por adoecer quem permanece nele. 

Nesta forma, as empresas deverão mudar os hábitos ocupacionais e conseguir medidas que trabalhem o estresse organizacional, uma vez que muitas ações trabalhistas podem surgir por essa má gestão no futuro. 

 

Prevenção ainda é o melhor caminho

 

A segurança e saúde do trabalho ainda continua sendo a melhor forma de prevenção da Síndrome de Burnout. Assim, investir nela é essencial para desenvolver um ambiente mais tranquilo e produtivo. 

Algumas dicas podem ser bastante úteis nesse processo. Abaixo você confere algumas delas:

  1. Desenvolver um programa de saúde mental na empresa;
  2. Investir em engenharia da Segurança do Trabalho;
  3. Divulgar dicas de saúde, bem-estar e entretenimento;
  4. Orientar e promover exercícios físicos pelos colaboradores;
  5. Construção de relações institucionais mais colaborativas e dialógicas;
  6. Dar flexibilidade ao trabalho quando possível. Como apoio o trabalho home-office;

 

Como a MedVitae pode ajudar?

 

Especializada em Segurança e Medicina do Trabalho, a MedVitae conta com experiência no ramo. A partir disso, a empresa permite que você e sua equipe tenha apoio e direcione ações de prevenção a saúde corporativa de forma eficiente. 

Clique aqui e converse diretamente com a nossa equipe. 

 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Posso Ajudar?